Prosa

Texto de Diana Carvalho

hand
Foto: Unknown
Estica os dedos. Não custa nada tentar desapertar os nós, ficar livre. Essa peça branca fica-te bem, fica-me bem. E nem por isso deixamos de esticar. O esforço não é constante, é eterno, e o braço será dramaticamente alongado. Quer soltar-se, ficando preso.
Puxa braço, puxa. Braço, mente, perna, cabeça, mente, cérebro, mente: puxem, puxem até ao infinito. Alonguem-se para alcançar a sociedade. E aí está ela, correndo: e puxando-te. Abraça os teus irmãos carentes e espertos.
Em criança sento-me no chão e traço um risco. Primeiro visualizamos a cor branca, pura, depois prolonga-se até ao negro da sujidade. Ficou sujo. O chão. A vida. O fim torna-se encardido rumo ao desconhecido. Agora, adulta, pouso o marcador nos lábios. Que riscar a seguir?
Levanto-me e volto para o colete-de-forças. Lá tenho a paz. Esticar os braços, querer soltar-me da única realidade conhecida, ser demente. Ou perder o sentido à loucura e ficar, deste modo, louco. Prende-me, prendo-me, para ser livre.
Autoria de Diana Carvalho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s