1

“Não Sou Diferente. Sou Especial” de Rosário Palma

Fonte da imagem: http://www.cienciahoje.pt/files/41/41087.jpg

Muitas pessoas acham que tenho um comportamento estranho, que não sou sociável, que fico agitado com muito barulho e que sou mal educado, porque tenho, por vezes necessidade de gritar, ou me afasto do grupo de crianças e não digo nada porque me considero superior a eles ou porque sou burro e não sei conversar, nem ler ou falar.

Essas pessoas não me conhecem, não entendem nada das minhas atitudes.

Essas pessoas fazem demasiado barulho, o meu cérebro acumula imensa informação ao mesmo tempo, odores, barulho. A isso chama-se excesso de carga extrassensorial.

Mas essas pessoas não sabem o que isso é.

É demasiado incomodativo para mim, o meu cérebro parece que vai rebentar, porque não posso expressar por palavras toda a carga de informação e barulho que oiço ao mesmo tempo.

Tapo os ouvidos com as mãos e afasto-me.

Preciso estar sossegado, preciso descansar o meu cérebro, por isso, procuro um sítio isolado das outras crianças a que chamo “ O Meu Mundo”.

Por vezes consigo brincar com outras crianças mas elas são demasiado agitadas e os seus movimentos bruscos e rápidos incomodam-me e baralham-me.

Algumas crianças já me entendem e falam comigo devagar e sem gritar, assim gosto, até me fazem sorrir.

Eu não sou diferente, eu tenho uma capacidade de memória enorme que entra de tal forma no meu cérebro que parece não caber lá mais nada, parece que o cérebro vai explodir a qualquer momento.

Se eu conseguisse falar, saberia dizer tanta coisa, coisas inteligentes para a minha idade.

Mas não consigo, no entanto tenho momentos que recordo situações que me fizeram sentir bem, então riu-me imenso, com tanta vontade.

Sei que ficam a olhar para mim de uma forma estranha, pois não percebem porque me estou a rir, apenas eu sei porquê.

Também sei que há outras crianças como eu mas que não se riem nunca, por vezes mordem-se a elas próprias e não sentem dor.

Eu não gosto muito que as pessoas me toquem. Gosto de animais, de cavalos e de golfinhos. São meigos e entendem-me, fazem-me sentir bem.

Às crianças como eu chamam meninos autistas.

Se ser autista é ser assim, então não sou diferente, sou especial.

by Rosário Palma

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s