Sem categoria

“Haveria Sempre Poesia, Nas horas mortas de maresia” de Mefistus

Havia um certo sentido no afastamento
Um certo tremor de deslumbramento
Havia até as fadas que circundavam
Nos murmúrios que outras vozes calaram
Havia a pequenez de tentar ser gente
havia saliva e talento descrente
Faltava a voz de sopro vulcânico
Faltava o sangue, a veia e vinho balsâmico.
Havia o narcisismo de quem acha que pode
Havia a tentação de quem não se recorda
Faltava o tormento das horas mortais
Faltava o tempo para gastar em blogs e os demais.
calava-se sempre a virtude na incerteza
de no fundo e lá pelo fundo, não ter a certeza.
Eram as sombras dos desatinos do poeta!
Ou o adeus na imensa recta.
Outros eram em palmas castradas
Em jubilos insatisfeitos…Ah, loucos preceitos!
Na rima que não vinha, nesse comboio de Janeiro
Nesse campo ao abandono sem jardineiro.
Nunca mais esse tempo, foi o meu primeiro!
E parado foi ficando prisioneiro
Longe das ondas de maresia
Longe de contos, trovas ou..
Seria o verdadeiro?
Que se faça silêncio agora
nos restos fúnebres do medo que morre
nada mais tenho a memorizar
Que não passarei outra vida a Poetar…

by Mefistus

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s