1

“Writing a Masterpiece”(Capítulo 1- Contradição) de Alexander Costa

Pudesse eu explicar o conflito que sinto. Mais! Pudesse eu solucioná-lo, eliminá-lo, queimá-lo e seria feliz.
Pudesse eu forjar a chave que abre o baú das emoções, baú envolto por corrente apertada, aperto que esgana, aperto que cega, aperto que me leva a razão, a ideia e a lógica. Pudesse eu a ferro e fogo aliviar a tensão que deixa marca e cicatriz para sempre.
A caminhada fez-se, faz-se e far-se-á solitária. Como qualquer solidão, entregue ao meu próprio navegar, ao sabor do meu vento. Por vezes tempestade que estremece e dá medo, medo que me faz duvidar do rumo, me desorienta e magnetiza a minha bússula para um Norte diferente, um Norte errado. Solidão distancia-me. Solidão faz me conhecedor de mim mesmo e cada vez mais um ignorante dos outros. Não estou na vanguarda nem na retaguarda de nada e muito menos caminho no mesmo trilho. Ando ao lado, por um caminho paralelo apenas vagamente cruzado com a corrente principal por ligeiras idas e voltas necessárias. Estou presente em mim mas também presente em quem tem que ser. Percebo pouco de muitos, mas de alguns ainda percebo bastante e do meu caminho estou sempre atento à vossa caminhada. Vagas de raiva enjoam-me desta solidão, desejam voltar a sentir o que ficou alguma vez perdido no tempo. A sensação quente e cheia do amor, o jardim todo plantado de felicidade, sorrisos que voam só porque sim, um pensar a dois, dois caminhos que se unem em vez do pequeno trilho solitário. É provavelmente a melhor sensação do mundo, o sabor que raramente se prova e me deixou na ânsia de mais. É entender agora que pouco mais no mundo pode equiparar-se, poucos quereres e desejos pessoais (solitários) o podem dar.
É uma contradição? É! A cicatriz esta lá, deixou marca e prendeu-me os pés. Dar o salto no escuro, abrir a porta ao desconhecido é impossivel. Estragas-te a fechadura e já nem eu a sei abrir. Foste embora e levaste a chave forjada por nós. As forças esgotam-se e de quando em vez ainda abro a janela mas a decepção invade e rasga não me deixa avançar. Por isso continuo a caminhar comigo mesmo, a lidar com o desamparo com a falta de bengala, com a falta daquela luz que cega de alegria por dentro.
Farto da solidão.
Farto da companhia errada.
by Alexander Costa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s