1

“Ai Amor vou para a Guerra ” uma peça de teatro da autoria de Mefistus

Acto I

Sobre o palco de madeira, uma mesa e uma cadeira. A meia luz de espanto, mulher sentada, na roda do tacho, na roça da labuta.
Entra por uma porta improvisada, um jovem alto, de voz embargada:
-Ai, Amor que fui chamado!- Exclama ele embasbacado
-Que dizes, meu homem?-Interpela com mágoa
-Falou o homem demente, a mim que estava contente…Vasco, vais para a Guerra!
-Não me digas Vasco, que isso agora é asco!
-Pois vos digo amor,…aquele Estupor!
Esconde a mulher os olhos e retomando, exclama no entanto:
-Mas que vais fazer à Guerra?
-Como posso saber. Tenho 19 anos
-É longe?
-Talvez distante! Vou na frente.
A batata cai semi descascada, a mulher levanta-se e chorando , atenta:
-Mas homem, nem cavalo nem Jumenta.Como irás?
-Jumenta? Não, vou com o Brás!
-Pois tambem ele vai á Guerra?
-A fugir de uma espanhola, que a tem por conta!
A mulher olhou de soslaio, e não fazendo do silêncio lacaio, protestou:
-Antes uma espanhola, que uma bala na tola
-Eu volto para o teu regaço!
-Olhai Vasco o meu embaraço!
Num beijo sentido, cai o pano de vermelho tinto

Acto II

Em regimento metido, Vasco assume ao palco com o batalhão, sob o olhar inquisidor da população.
Ri o profeta, salta o louco, a eles faz Vasco ouvido mouco:
-Nobres herois que pela Pátria vão lutar -Brada o Sargento
-Eu quero é regressar – Diz Vasco num Lamento
-Acaso não regresses, a tua mulher ouvirá tuas preces- Grita o Profeta
-Ao diabo com as preces, tu não a mereces – Brada o Louco
Em tão distinta companhia, fechou os olhos a mulher e segredou baixinho:
-Tivesse ele Leucemia
-Que dizeis Efigénia?-Brada o Sargento
-Só levam os bons, eu que já queria estar prenha!-Disse num lamento
-Sossegue, que ficam os outros para intento!
-Não faço de migalhas sustento!- Gritou Efigénia.
Cai o pano com batalhão a cantar..
“Guerra agora, já não demora. Que de bravo que somos, o inimigo foge, em assombro”

Acto III

Regressa Brás ao quartel, a população a granel. Dois anos passaram, e metade deles não voltaram.
-Heroi, herois.Mataram os Espanhois?
-Espanhois?
-Pois nao foram á Guerra?
-Sim. Mas a Guerra sem terra, em mar volvido
-Que dizeis? – pergunta o profeta encarecido?
-Não passamos fome, nem sede…em Bordeis metidos.
-Como dizeis?-Protesta o profeta
-Esta guerra era sem quarteis, sem fieis, sem reis
-Mas que Guerra essa. E onde pára meu Vasco?
-Oh esse fugiu. Desertou com asco.
-Do sangue?
-Sangue?Da saia, do mulherio!
-Dois anos a penar. Para aos espanhois ganhar? – Efigénia de xaile negro nos ombros e barriga farta
-Para Espanha não se vai de Mar. Fomos além. Além Mar a outras terras, lindas de pasmar.
-Mas combateram?
-Não…só beberam
-Mas morreram?
-Não, só as virgens varreram.
-Louca Guerra essa!
-Vi seios fartos, coxas gastas, rostos de desgraça. – Avisava o pobre Brás
-Mas acaso vies-te!
-Pois. Ter mulher por conta lá e perder tudo lá, com virgens, mais vale falar Português aqui, que outra língua diferente
-Estou a ver, estou a ver!Foi só foder…-Chora Efigénia
-Qual Guerra de meter, so lá foram entreter, dinheiro derreter e tempo perder. – Grita o Profeta
-Logo vi que União, so podia ser europeia. Nem guerra aberta, nem tiro, só abelha na colmeia. Lá se foi o mel Lusitano, nas zonas pudicas da Meretriz. -Bradou Efigénia
-Abençoado quem é louco- passa o louco a mão á barriga de efigénia-Que comeu e não foi pouco!
Efigénia dá a mão ao louco. Brás encara o Povo, canta o profeta enquanto a cortina cai.
“Guerra desta na União, antes fosse cooligação
Mandamos jovens para fora, e quem se safa é quem cá mora!”

Com a cortina levantada, para agradecer cantam todos em uníssono:

“Quem me dera ser Louco,
peito aberto para balas
Ignorar o perigo de ouvido mouco
de punho erguido, abrindo alas”

Quem me dera ser Louco
Poder dizer o que quero
poder fazer de tudo um pouco
Da sorte meu tecto”

E baixa a cortina de vez.

————————Fim————————-

By Mefistus

4 thoughts on ““Ai Amor vou para a Guerra ” uma peça de teatro da autoria de Mefistus

  1. Bravo!
    Pude ver as personagens, a peça e toda a decoração mentalmente.
    Dei por mim a cantarolar as musicas de intermédio.
    Mas não pude deixar de reparar no pormenor da poesia.
    Neste autor a Poesia é arte pura.
    Palmas para o “ensaio”.

  2. ahahaha
    outra faceta do talento de Mefistus que tanto adoro!
    conto em rima
    poesia
    prosa
    seja o que for!
    É para aplaudir…de pé…fervorosamente!
    🙂

  3. Eu que esperava um novo capitulo do Lucifer, acabei a sorrir.
    Então escreve tambem Teatro?
    Um multifacetado talento, numa ironia muito atraente.
    Parabens ao autor

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s