1

Nas asas de um anjo – 4º Capítulo

Evitando o feixe luminoso, Miriam cobriu os olhos com os seus braços, mas momentaneamente se apercebeu que algo de errado se passava. Logo se sentou na cama e voltou a face em todos os sentidos e questionou para si como era possível estar no seu quarto naquele momento, se ainda à bem pouco tempo estava com Jeff. Tudo que tinha acontecido na noite anterior parecia-lhe um mero sonho e que tudo não tinha passado disso.

Encarando essa ideia como aceitável, deixou-se levar pelo decorrer normal do dia que nascia. Miriam tinha aproveitado para fazer umas compras de produtos alimentares e higiénicos que faziam falta em casa, e como andava também a tirar a carta de condução, passou quase todo o dia a dedicar-se inteiramente ao estudo.

Já quase nove horas de estudo tinham decorrido, e puramente cansada avistou o relógio que se encontrava em cima da mesinha de cabeceira, que apontava para as dez e um quarto da noite e decidiu que deveria fazer uma breve pausa para se preparar para dormir, e que talvez volta-se a retomar os estudos durante mais uma hora.

Ao retirar o colar, ouviu algo bater-lhe na janela, e enquanto colocava o colar sobre a sua mesinha de cabeceira, pensou que seria perigoso se a abrisse, mas parando por alguns segundos fixando o colar ganhou coragem para o fazer.

–   Jeff! Que fazes aqui. Os meus pais estão em casa e se te vêem aqui matam-me. – disse Miriam admirada pela presença dele enquanto corria para a porta afim de a trancar.

–    Ontem fiquei muito preocupado contigo ao ver-te naquele estado, e fui incapaz de deixar passar este dia sem saber se estavas melhor. Uh, fecha os olhos, só um bocadinho! – ordenou Jeff surpreendendo-a com um lindo lírio do Vale.

–    Bem, é magnífica a flor. Não estava nada à espera… estou completamente sem palavras. – proferiu Miriam, sentindo-se um pequeno toque de gaguez e tremura na sua voz. Mais uma vez obrigada por toda a preocupação. – concluiu lançando um sorriso a Jeff.

–    Sabia que ias gostar. Sabes, essa flor tem uma história muito bonita. Existem várias espécies dessa flor, mas escolhi especialmente esta, o lírio do vale, porque ela exprime, doçura e em torno dela gira a alegria e humildade. Através dela pretendo mostrar-te a sua capacidade de sobreviver num meio que não é o dela, fazendo assim com que faças da tua vida uma simples jarra com água. Compreendes?

–    Estou impressionada, como sabes tudo isso?. Eu vou fazer tudo o que estiver ao meu alcance para ver esta flor sobreviver durante muito tempo, tal como vou tentar fazer a mim própria. Acho que devo atender ás tuas palavras como sinal de gratidão por tudo que tens feito por mim. Só uma coisa como é que hoje de manhã…uh esquece, a sério não é importante.

Apercebendo-se do que Miriam ía perguntar tentou fingir que realmente tinha feito o que ela tinha mandado, apenas esquecer.

–    Era isso que mais desejava ouvir – retomou Jeff. E quanto eu saber isto das flores, não foi nada que umas boas pesquisas não revelassem. – continuou Jeff. E os dois soltaram em simultâneo uma gargalhada.

–    Uh, acho que tenho bons planos para nós esta noite!

–   Ai sim? Então muito bem, estou à espera para ver o que sai daí. – proferiu Jeff enquanto retirava o seu casaco negro e o colocava sobre a cadeira, passando de seguida a observar os movimentos de Miriam.

A noite tinha passado rapidamente que mal deram conta de esta se esgotar. Ambos viram um filme, jogaram computador e Miriam fez questão que Jeff a ajudasse a estudar mais um pouco.

Deitados sobre a cama estudando, Jeff contemplava cada gesto, cada palavra e cada contentamento de Miriam quando por fim tinha decorado a parte que tinha estudado. Sentia-se bem consigo próprio por parte dela estar feliz, mas por outro lado sabia que quando fosse embora ela voltaria outra vez áquele estado de revolta interior, e aí ele sentiu fraqueza  por não a conseguir ajudar nesse sentido.

Os seus pensamentos repentinamente foram afastados quando ela chamou a sua atenção.

–    Jeff desculpa-me mas já é muito tarde e estou estafada. Acho que é melhor ires embora, mesmo também devem estar preocupados contigo. – sugeriu Miriam.

–    Ok, ok. Nem reparei nas horas. Acho que quem tem de pedir desculpas sou eu.

–    Bem acho que fomos os dois que não demos pelas horas passarem. Não tens de pedir desculpas e quero que saibas que és sempre bem vindo. – afirmou Miriam tocando-lhe no braço, o que provocou a Jeff um certo formigueiro na barriga. Menos para os meus pais. – concluiu Miriam sussurrando.

–    Bem então fica bem, e até uma próxima. – despediu-se Jeff dando-lhe um beijo na face.

–    Fica bem também, e não te esqueças do casaco! – disse Miriam enquanto o passava a Jeff. Os seus dedos acabaram por tocar nos dele e os dois trocaram olhares por uns segundos, porém Jeff voltou-se para a janela e desceu, mas quando Miriam se aproximou não o conseguiu avistar na escuridão. Voltou a sua face em todas as direcções e por fim encontrou-o já no chão sorrindo e acenando em forma de despedida e esta correspondeu-lhe da mesma maneira.

Era ainda possível sentir o seu perfume pairando no quarto. Silenciosamente fechou a janela e ainda com esperança de o voltar a ver, Miriam espreitou por entre a cortina, mas o que pretendia já não lhe foi possível, ele tinha desaparecido por entre aquela densa escuridão e sentindo ainda a sua presença,Miriam encostou a sua palma da mão na janela, na esperança que ele voltasse.

By atomibomb20

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s